Parasita



Image result for parasite movie poster"
Parasita é um soco no estômago. E bem dado. Assim como na mais recente obra de Jordan Peele, Nós, temos como pano de fundo as diferenças sócio-econômicas e sua presença e crescimento longitudinal em âmbito global. Num mundo capitalista como o que estamos inseridos, a película se encarrega de mostrar que as classes sociais guardam diversos pré-conceitos entre si sendo que o dinheiro, ou a ausência dele, não determina quem você realmente é. A abordagem premiada com o Oscar de Melhor Filme - um feito histórico, já que o longa sul-coreano se consagrou como o primeiro em língua não-inglesa a levantar a estatueta - enfoca que nem os ricos são considerados mocinhos, nem os pobres são considerados coitados. A categórica premissa de que é preciso haver pobreza para que a riqueza possa se sustentar é levada a extremos na alegoria do talentoso Bong Joon-ho (responsável pelos excelentes Mother - A Busca Pela Verdade e O Hospedeiro), que evidencia o fato da parcela mais carente da população ser extremamente dependente da minoria abastada, e vice-versa. De forma muito original, o diretor acaba colocando os milionários e os que vivem na miséria em pé de igualdade, porque afinal somos todos iguais e além disso precisamos um do outro para coexistir, mesmo que indiretamente, explicitando que todos somos uma espécie de parasita.
Kim Ki-taek (Kang-ho Song, numa atuação magnífica) mora com a esposa (Jeong eun-Lee), o filho (Woo sik-Choi) e a filha (So-dam Park) num subúrbio de Seul, Coréia do Sul. Cada um dos membros da família está desempregado, e eles se ajudam como podem: fazem bicos, tentam pegar o WiFi dos vizinhos, e por aí vai. Mas quando um amigo do filho lhe oferece uma vaga de emprego para dar aulas de inglês na residência dos Park, um casal muito rico, as coisas começam a mudar. No momento em que o rapaz consegue entrar na mansão, assumindo a vaga almejada, a família Ki-taek começa a engrenar um ardiloso plano para que cada um deles granjeie uma oportunidade de trabalho com a família endinheirada. O grande problema é que, com o passar do tempo, a falsidade vai ficando cada vez mais difícil de se acobertar. Parasita é uma obra-prima do cinema contemporâneo. Uma verdadeira joia em forma de filme. Não só o melhor longa-metragem do ano de 2019, mas um dos melhores dos últimos anos. O cinema coreano, que há tempos já vinha se destacando pela sua qualidade em mesclar categorias, nos brinda aqui com uma mescla tão grande de sentimentos que fica até difícil de descrevê-los. O clima de tensão dá seus primeiros indícios inocentemente e começa a se intensificar a cada ato, sempre dosado com as boas cargas de comédia e o apelo emocional. Joon-ho demonstra habilidade em transitar pelos gêneros com leveza e naturalidade, ao mesmo tempo que provoca os mais profundos sentimentos em quem está presenciando cada cena. As atuações são magnéticas, a fotografia enquadra cenários arquitetônicos e favelas suburbanas num contraste sublime e intencional, e algumas cenas são tão incômodas e sufocantes que o espectador pode não acreditar no que está contemplando. Parasita é aquele filme que deve ser visto e revisto uma dezena de vezes, pra ver se aprendemos alguma coisa e paramos de ser preconceituosos, independente de nosso lugar na sociedade.
Nota: 10/10 (Melhor filme de 2019)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Bastardos Inglórios

Senna

Dois Papas